sábado, abril 16, 2011

Decisões Extremas

“Decisões Extremas” surpreende logo no seu início. E não falo de invencionices do roteiro ou qualquer coisa envolvendo a história em si. Surpreendente é ver, pela primeira vez desde Star Wars, Harrison Ford não ser o nome principal a ser creditado. O longa-metragem é produzido pelo ator que, talvez até por isso, tenha se sentido menos tentado a encabeçar o elenco, deixando a função para Brendan Fraser. É no mínimo curioso.

Decisões Extremas tem direção de Tom Vaughan e roteiro assinado por Robert Nelson Jacobs, baseado no livro The Cure, da jornalista vencedora do Pullitzer Geeta Anand que, por sua vez, baseou-se em fatos reais.

Na trama, John Crowley (Fraser) é um homem de família, casado com a bela Aileen (Keri Russell) e pai de três filhos. Os Crowley tentam de todas as formas manter uma rotina normal, mesmo tendo de encarar uma batalha diária: dois de seus três filhos tem a doença de pompe, uma doença degenerativa que afeta os músculos e sistema nervoso. De acordo com as pesquisas de John, as crianças têm expectativa de vida até os 9 anos de idade, o que o deixa desesperado por uma solução para o problema. Ao conhecer as pesquisas do Dr. Robert Stonehill (Ford), Crowley percebe uma luz no fim do túnel, larga seu trabalho e passa a dedicar todo o seu tempo a angariar fundos para a descoberta da cura para a doença. No entanto, Stonehill não é uma figura nada fácil de trabalhar.

Para início de conversa, Brendan Fraser consegue uma atuação – ainda que nada uniforme – bastante comovente, merecendo créditos pela escolha de um papel diferente do habitual. John Crowley é totalmente abnegado aos filhos e não mede esforços para resolver a situação. Homem de negócios, ele é a pessoa perfeita para dar vida às pesquisas de Robert Stonehill, um professor que tem ideias revolucionárias na teoria, mas nunca as coloca em prática. Harrison Ford pratica o seu feijão com arroz para encarar um papel que parece ser escrito sob medida para ele. Portanto, não é de se estranhar que o ator esteja tão à vontade como o doutor. As crianças do elenco, Meredith Droeger, Diego Velazquez e Sam M. Hall, dão conta do recado e têm boas atuações.

Com uma história de superação de adversidades, Decisões Extremas ganha pontos por apresentar ao espectador uma trama que consegue, ao mesmo tempo, apresentar uma doença terrível e seus problemas, mas também mostrar que é possível arregaçar as mangas e trabalhar para se encontrar uma solução.

(Paradoxo)

7 comentários:

Anônimo disse...

Oi trata-se a 1ª vez que li o teu blogue e reflecti tanto!Bom Trabalho!
Cumps

Aline Metzker disse...

Muito bom. Eu assisti. Recomendo!

Pr. Moisés Biondo disse...

Eu assisti esse filme num contexto dramático real. Minha filha Isabelle, na época em que assisti, estava em fase de terrível investigação médica, pois havia a suspeita de que ela tinha a tal doença em questão no filme. Depois de 1 ano, foi diagnosticado "Distrofia Muscular", como o Dr. Stephen Hawking.

Hoje ela é falecida, descansa no Senhor e aguarda a Sua volta para voltar a vida.

Emerson Pereira disse...

Parabens pelo Blog. Se precisarem de algum titulo especifico fiquema vontade para nos contatar www.filmesdificeis.com.br

Yuri Michiles disse...

A sétima arte quando bem intencionada pode ser um instrumento valioso na construção de um pensamento que se aproxime do Criador. Por isso um bom filme vai muito além da diversão. O blog é excelente parabéns pela ideia. Um abraço!
Kleiner Michiles Manaus Am.

Rodrigo de Oliveira disse...

Olá,

a crítica postada aqui foi escrita por mim. Agradeço pelos comentários e convido para visitarem o blog de origem desta crítica: www.paradoxo.jor.br. Abraços.

Anônimo disse...

Excelente filme!!! Assisti várias vezes... Recomendo a todos!!!