sábado, agosto 02, 2008

Antes de Partir

Rob Reiner não é o típico diretor-de-aluguel hollywoodiano. Quem tem no currículo This is Spinal Tap (1984), Conta Comigo (1986) e Harry & Sally (1989) já se põe acima da média. Mas o fato é que Reiner nem faz muita diferença em Antes de Partir (The Bucket List). A comédia dramática se justifica e se apóia, independente de qualquer outra coisa, no carisma de Jack Nicholson e Morgan Freeman.

Nicholson vive Edward Cole, milionário gestor de hospitais cujo lema é um número: dois leitos por quarto, nunca menos. Freeman é Carter Chambers, um mecânico que abandonou seus sonhos de juventude quando viu que teria uma família para alimentar. Quando os dois ficam fulminantemente doentes, seus caminhos se cruzam.

E se cruzam porque, para não desonrar seu lema, Edward, o dono do hospital, acaba no mesmo quarto de Carter. O estranhamento inicial logo se transforma em apoio mútuo. Ambos têm poucos meses de vida, e só um doente terminal para entender o tipo de drama que o outro vivencia. Do nada, Edward convence Carter a fugir e botar em prática uma lista de últimos - e excêntricos - desejos antes de "baterem as botas". Nos EUA, a expressão usada nesses casos é "chutar o balde", daí o título original do filme, A Lista do Balde.

Pouco antes das filmagens, por uma funesta coincidência, Nicholson teve que ser submetido a uma intervenção cirúrgica que o deixou de molho por meses. O fato de interpretar um personagem turrão à beira da morte evidentemente transtornou o ator - e o filme se beneficia do estado de espírito indômito de Nicholson. Ele atua com um senso de urgência que enriquece o personagem, em interessante contraste com a pose sempre professoral de Freeman. ...

Em entrevistas, Reiner diz que sua intenção principal era equilibrar bem o drama da pesada premissa com algum humor, e fazer com que o sentimento não descambasse para o sentimentalismo. Nesse ponto, ele realmente sai vitorioso. Antes de Partir lembra-nos a todo instante da situação pela qual passam os dois personagens - e, principalmente, faz isso com uma dureza visual que inviabiliza o água-com-açucar.

Exemplos: a hora em que Feeeman percebe que o catéter estourou e sua camisa ficou toda suja de sangue, ou a gigantesca cicatriz na careca de Nicholson. Rob Reiner não se furta a filmar a doença em close-up; meias-palavras e esquivas, ademais, não são muito freqüentes nos filmes do diretor. O tratamento que Antes de Partir dá ao drama chega a ser estranho, como quando o personagem de Nicholson recebe, com um close-up em seus óculos refletores, a notícia de que tem poucos meses de vida. É um plano de um anti-sentimentalismo realmente estranho, absurdo até.

E dizer que um filme é estranho e absurdo, vale lembrar, conta sempre como elogio.

(Marcelo Hessel, Omelete)

Nota: Gostei especialmente do diálogo dos atores a respeito da existência de Deus e do fato de o filme mostrar que, no fim das contas, o que mais importa não é o que conseguimos acumular em vida, mas os relacionamentos que construímos e as vidas que tocamos.[MB]

6 comentários:

Anônimo disse...

muito bom o filme ;)

Thaís disse...

eu tb assiisti o filme... excelente. aliás Michelson gostaria de parabenizá-lo pq já vi vários filmes que vc indica e ainda ñ me decepcionei...

Petyane disse...

Adorei o filme, mto emocionante e tocante, gostaria de parabenizá-lo pelas indicações...

Allan Ribeiro disse...

Caramba!

Conta Comigo (É o mesmo Stand by Me?) é um dos melhores filmes que eu já assisti!

Fiquei feliz só de lembrar disso! Obrigado.

Pensar o Ser... disse...

Com uma data pré agendada com a morte, ambos decidiram extrair da vida aquilo que de melhor para eles ela podia oferecer. Dor e sofrimento trouxe prazer e alegria. outra coisa, Carter se manteve fiel a sua esposa, mesmo em face da morte. Bom filme...Gostei..

Anônimo disse...

excelente filme!! mt emocionante.. um dos melhores que já assisti até hoj!